Novo Ginásio Poliesportivo
05/04/2016
Exibir Tudo

Comportamento Sexual de Risco e Uso de Drogas

 

As Células de Mútua Ajuda são compostas por internos em processo de reabilitação que se reúnem diariamente, nos moldes das reuniões de AA e NA. Periodicamente, a equipe terapêutica da Clínica Novos Rumos aplica atividades adicionais que são desenvolvidas pelos grupos.

Nos últimos dois meses, as Células de Mútua Ajuda estudaram temas referentes ao comportamento sexual de risco associado ao uso de álcool e outras drogas. Todos receberam material (artigos científicos) e trabalharam juntos na elaboração de palestras e textos sobre o tema. Como o assunto de maior interesse entre os internos foram as Doenças Sexualmente Transmissíveis, os pacientes assistiram a uma palestra ministrada por médico da instituição. Além disso, os melhores textos ganharam a oportunidade de divulgação no site da clínica. As redações das Células Mutar e Vida 1 podem ser acompanhadas abaixo:

Sexo e Uso de drogas

Célula Mutar

De acordo com o CEBRID (Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas), 41% dos adolescentes contaminados com doenças sexualmente transmissíveis tinham consumido álcool. Uma pesquisa realizada com 17.371 adolescentes do ensino médio mostrou que cerca de um terço desses jovens tinha feito sexo no mês anterior. Destes, 48% fizeram sexo sem camisinha, sendo que a maior parte dos entrevistados eram meninas. Outro estudo, realizado com 215 adictos em tratamento, mostra que 47% dos homens apresenta alguma disfunção sexual.

Álcool e Nicotina promovem alterações na arquitetura vascular dos órgãos e a cocaína, apesar de aumentar a libido, faz o efeito contrário no consumo crônico. Um dado que chamou a atenção é que 41% dos entrevistados não usam preservativo durante o ato sexual e buscam vários parceiros, demonstrando impulsividade sem avaliação de risco, com extrema necessidade e urgência por satisfação imediata. Apesar de perceberem que a vida sexual não vai bem, poucos procuram ajuda.

A grande maioria dos serviços destinados ao tratamento da Dependência Química não tem, em sua grade de intervenções terapêuticas, a proposta de educação sexual de forma sistemática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Podemos lhe ajudar?
Enviar via WhatsApp